PMS

Ato virtual em defesa da democracia reúne políticos de diversos partidos

Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB), governadores, presidentes de partidos e Zelia Duncan estão entre os que participaram. [...]

Por Roberto Novaes Reis em 28/06/2020 às 22:51:35

Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB), governadores, presidentes de partidos e Zelia Duncan estão entre os que participaram. Políticos participam de ato virtual pela democracia

Reprodução/redes sociais

Um ato virtual nesta sexta-feira (26) em defesa da democracia reuniu políticos de diversos partidos e artistas.

Entre os participantes do ato estavam o ex-prefeito de São Paulo e candidato a presidente pelo PT em 2018, Fernando Haddad, o candidato do PDT nas eleições de 2018, Ciro Gomes, a candidata da Rede à Presidência em 2018, Marina Silva, e a cantora Zelia Duncan.

Governadores também participaram, entre os quais Eduardo Leite (PSDB-RS), Camilo Santana (PT-CE), Paulo Câmara (PSB-PE), Renato Casagrande (PSB-ES) e Flávio Dino (PCdoB-MA). Os ex-governadores Márcio França (SP) e Tarso Genro (RS) também discursaram, assim como presidentes de partidos, entre os quais Bruno Araújo (PSDB), Carlos Siqueira (PSB) e Carlos Lupi (PDT).

No discurso, Haddad afirmou que áreas como saúde, educação, meio ambiente e segurança estão "em risco" porque o presidente Jair Bolsonaro, em vez de "unir o país em torno de um projeto", "comete crimes de responsabilidade semanalmente".

"Este senhor que ocupa a Presidência da República ofende a saúde pública, ofende as instituições democráticas de uma forma tal que está completamente tipificado como crime de responsabilidade previsto na Constituição. Ele chegou a participar de atos públicos, durante a pandemia, pelo fechamento do Supremo Tribunal Federal e do Congresso Nacional", afirmou.

Haddad defendeu ainda o afastamento de Bolsonaro, por meio de um processo no Congresso Nacional, e a restauração dos direitos políticos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Candidato a presidente pelo PSDB nas eleições de 2006 e 2018, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin disse que o momento é de união e de defesa da democracia.

"É hora de deixar de lado os personalismos e nos unirmos em termos de valores, princípios, em defesa da democracia e em defesa do interesse público", acrescentou.

Candidato a presidente nas eleições de 2002 (PPS) e de 2018 (PDT), o ex-governador do Ceará Ciro Gomes também participou do ato. Disse que em algum momento deverá haver o sentimento de "reconciliação" para entender o que levou a população a votar, em 2018, "nessa tragédia que estamos vivenciando".

Citou ainda "urgências que o povo pede", entre as quais: "Proteger as liberdades, para que os artistas se expressem sem censura, para que a empresa faça seu trabalho crítico sem violência, para que os partidos confrontem suas ideias, projetos e convicções sem o dessabor autoritário e para que as instituições funcionem exemplarmente. [...] Haverá resistência, nunca mais haverá ditadura".

Candidata a presidente nas eleições de 2014 (PSB) e 2018 (Rede), a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva disse que "a democracia é o único antídoto, sistema de defesa". "Que a gente possa estar unidos em uma agenda que se qualifica na defesa da dignidade humana, da vida e da democracia".

Fonte: G1

pedra baiana1

Comentários

Novo Sanavalle conecta